Seja Criativo!


Não é o bastante dizer que liderança é uma arte. E uma pesquisa mostrou que gerentes podem ser melhores líderes se eles literalmente pegarem seu lápis de artista e sua caneta de poeta, e aprender como usar suas habilidades criativas que freqüentemente são esquecidas.

O mundo dos negócios, cheio de problemas complexos sem respostas fáceis, precisa de uma liderança que seja criativa e contagiante, capaz de inspirar e sustentar criatividade por toda a empresa. E é essencial expandir as competências de um gerente (constantemente e em todas as áreas da organização) para um pensamento criativo e inovador.

Uma forma que está sendo utilizada por alguns gerentes é descobrir a intuição, o sentimento e a imaginação através de métodos artísticos, como o desenho, a pintura, a dança, a poesia, a música. Não é preciso saber desenhar, o importante é imaginar e criar.

O objetivo desse tipo de atividade é ajudar (os gerentes e suas equipes) a desenvolver uma maneira de pensar mais intuitiva, imaginativa e sensitiva. Com o passar do tempo, acabamos usando mais o lado racional do cérebro: somos mais analíticos, usamos mais números, criamos métodos. E o lado emocional fica em segundo plano, mesmo sendo a peça chave do nosso desenvolvimento.

É engraçado, e talvez um pouco triste, o que o tempo faz com a gente: ficamos “quadrados”, pensamos demais, queremos analisar tudo. Mas se nossa natureza é sensitiva, porque é que tentamos gerenciar nossa equipe de maneira racional e fria?

Estava assistindo certa vez um programa que passa nos Estados Unidos de “reallity show” que se chama “O Aprendiz” (inclusive há uma versão brasileira desse programa). Para ser rápido: esse programa basicamente é uma competição entre profissionais que querem uma vaga em uma das empresas do empresário Donald Trump. Esses profissionais são reunidos em grupos e uma curiosidade dessa edição é que foram inicialmente recrutados profissionais que são formados (fizeram faculdade) e profissionais que não são formados.

Foram feitos dois grupos: os “BookSmarts” (espertos do livro) e os “StreetSmarts” (espertos da rua). O esperado era que os profissionais formados ganhassem nas tarefas dadas, mas o contrário foi acontecendo semana após semana.

A diferença entre os grupos é muito clara: enquanto os formados sentam para votar em quem será o líder e fazer todos os cálculos e análises “necessárias”, os não formados colocam a mão na massa, de maneira criativa!

Se os formados não tivessem enterrado sua criatividade e soubessem imaginar (se fossem sensitivos), teriam uma imensa vantagem sobre os não formados. Mas o fato é que isso normalmente não acontece, infelizmente. E quem tem a atitude correta vence quem tem a habilidade correta.

A maioria dos profissionais concorda que a criatividade é a força impulsora para as empresas não somente criarem novos produtos e serviços, mas também para resolver problemas e desafios diários. Muitos ainda acreditam que a criatividade não pode ser ensinada, mas que deve ser encorajada.

Ser criativo é pensar diferente. É pensar de mais de uma maneira e olhar com vários outros olhos. E para isso, é necessário que você esteja disposto a quebrar velhos hábitos e repassar isso pra equipe de uma maneira saudável.

E encorajar essa criatividade é na verdade aceitar também o fato de que, infelizmente, você verá algumas pessoas pegarem o caminho errado, tentando se aproveitar da situação. Para evitar isso, você como gestor deverá se certificar de que a energia criativa está sendo usada para o benefício da empresa. Não parece, e não, é fácil: pois você terá que constantemente direcionar a “liberdade” criativa dos funcionários para os objetivos estratégicos e operacionais da organização.

Eu sinceramente acho que todas as pessoas são criativas, a sua maneira. O que nos diferencia são as barreiras que temos para essa criatividade. Por isso, a melhor forma de começar a incentivar a criatividade (para você e para a sua equipe) é conhecer as barreiras de cada um e ajudá-los a arriscar enquanto se divertem. Criatividade e diversão estão diretamente relacionadas!

Há várias maneiras de encorajar a criatividade no trabalho. Pense em todas as coisas que estimulam o lado direito do cérebro, como as já citadas nesse artigo: faça um concurso de desenho, de música, de pintura. Peça para que cada funcionário traga o “seu” brinquedo predileto. E ao invés de fazer a próxima reunião na sala de sempre, porque não ir a um museu, a um parque, a uma pizzaria?

Seja criativo! Deixe a imaginação fluir e não tenha medo de errar, de achar que as pessoas não vão gostar. Para terminar, lembre-se que parte de ser criativo em qualquer campo é ter a coragem de comunicar e vender suas idéias, mesmo quando outras pessoas a criticarem. É sempre mais fácil dizer “não” do que “sim”. Nem todas as suas idéias serão aceitas, mas lutar por elas também faz parte do processo criativo.

Raúl Candeloro – Portal do Marketing

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s