O Whatsapp e o “Fim” da Interação Humana

Trabalho com Internet desde 1994 quando ela ainda não havia sido lançada comercialmente no Brasil. Desde então é óbvio que quanto mais desenvolvemos o mundo digital mais alteramos as relações humanas. Junte-se a isto o advento e proliferação dos telefones celulares e a possibilidade de usarmos dados através dos mesmos e voilá, chegamos a uma nova maneira de nos relacionarmos com as pessoas. Mais intensa em termos de quantidade, menos intensa talvez, em sua qualidade.

Hoje todo mundo compartilha algo, se não compartilha parece que não fez. Um simples almoço com um prato de comida diferente e lá estamos nós vendo no Facebook o que a pessoa está comendo. Foi a um lugar diferente, checkin no Foursquare! Negócios? Todos usando o Linkedin. Mas definitivamente a ferramenta que mais aproximou e ao mesmo tempo afastou as pessoas nos últimos tempos se chama Whatsapp.

É simplesmente impressionante o impacto dele em nossas vidas. Estamos chegando ao momento que tantas vezes falamos em tom de brincadeira de uma pessoa estar ao lado da outra mas falando pelo Whatsapp. Já vi isto acontecer com adolescentes, mas confesso que ultimamente as coisas começam a acontecer comigo. Já recebi desde convites para ir ao cinema até solicitações para fazer algo em minha casa pelo Whatsapp. De pessoas que estavam na mesma casa no mesmo momento!

E os grupos então? São a nova caixa de correio ou as novas atualizações da timeline do Facebook. Você não dá conta de ler a quantidade de coisas que se escrevem ali. De coisas importantes a bobagens incomensuráveis. Quando as pessoas se encontram quase não conversam, pois já sabem tudo que ocorreu na última semana nas vidas umas das outras. Ou pior, comentam os posts do Whatsapp. Aí é dose!

Não estou aqui sonegando a importância do Whatsapp enquanto ferramenta de comunicação que facilita muito inúmeras coisas que precisam ser ditas, mas que não necessitam uma resposta imediata. Tão pouco ignoro o poder de comunicação que um grupo tem ao entregar ao mesmo tempo para N pessoas uma mesma mensagem. Mas hoje as pessoas já começam a achar que o simples envio de um whatsapp já lhes garante o direito de uma resposta imediata a assuntos muitas vezes importantes e que mereceriam um pouco mais de atenção e contato humano para sua solução.

Fala aqui uma pessoa de tecnologia que vive disto e que trabalha diariamente pensando nas necessidades das pessoas e que tipo de serviço podemos oferecer a elas. Mas confesso, tenho sentido um pouco de falta de mais interação humana.

Rafael Kuhn – Terra

Campus Party 2016 discute futuro da tecnologia

A Campus Party 2016, nona edição do evento de tecnologia e cultura pop e nerd, acontece entre os dias 26 e 31 de janeiro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi.

A edição deste ano tem foco nas tecnologias que construirão o futuro. Para isso, a organização convidou para o palco principal palestrantes como Michel Smit, presidente-executivo da Energy Floors, empresa que desenvolveu uma pista de dança que gera energia elétrica conforme as pessoas dançam sobre ela.

Além dele, participam Thaisa Bergmann, astrofísica brasileira conhecida por sua pesquisa com buracos negros, Grant Imahara, participante do programa “Mythbusters”.

Veja abaixo a programação completa do palco Feel the Future, o principal do evento:

26 de janeiro de 2016
20:00   Cerimônia de abertura
21:00   Palestra Feel The Future

27 de janeiro de 2016
11:45   O Futuro das Tecnologias Educativas
13:00   Eugene Chereshnev
14:30   Como desacelerar o aquecimento global e criar novas fontes e energias
15:45   Inspiracional + Motivador + Uma dose de realidade que nem tudo são flores
20:00   Grant Imahara

28 de janeiro de 2016
13:00   Daniel Matros
14:30   Humanos, tecnologia e o futuro da educação
18:15   Another Week = Cartoon Network
20:00   Michel Smit
21:30   Como ganhar dinheiro e viajar o mundo ao mesmo tempo

29 de janeiro de 2016
14:30   “O mundo real de volta ao relacionamento online” Happn.
17:00   O futuro das profissões
20:00   Steve Gershik
21:15   Se a Crise Nos Muda, a Palestra Muda. (3.0)

30 de janeiro de 2016
10:30   Como quebrar o recorde de 13 mil PCs numa mesma rede, de David Garpenstahl
13:00   Thaisa Storchi Bergmann.
14:30   A vida na era das novas sensações
15:45   O Fator humano e os desafios da Tecnologia da Informação
20:00   Cerimônia de encerramento

G1

Cinco setores promissores para empreender em 2015

Especialistas apontam áreas como tecnologia, agronegócio, alimentação, educação e turismo como boas alternativas para investimento.

Internet das coisas
Vinícius Machado, gestor de projetos da ABStartups, aposta no crescimento do mercado de internet das coisas. O conceito se refere a conectar itens usados no dia a dia à rede mundial de computadores. Isto inclui desde eletrodomésticos até itens de uso pessoal, como tênis e óculos (caso do Google Glass). “O movimento maker está crescendo rapidamente no país, reforçando a criação de soluções de hardware e automação para objetos. Muitas startups estão começando a atacar problemas nesta área”, ressalta.

Tecnologia para o agronegócio
Vinícius destaca, ainda, a grande demanda por tecnologia entre as empresas do agronegócio. Para ele, muitos empreendedores deste setor estão olhando além do óbvio e buscando opções para aumentar a inteligência, reduzir custos e aumentar a qualidade de sua produção.

Alimentação
Já André Friedheim, diretor internacional da Associação Brasileira de Franchising (ABF), aposta que investir na alimentação é cada vez mais um bom negócio, pois o consumo de comida fora de casa está crescendo, especialmente nas grandes cidades. “O número de shoppings está aumentando bastante fora do eixo Rio-São Paulo, e as praças de alimentação são um componente muito valorizado neles, pois chamam muitos clientes para as lojas”, justifica.

Educação e treinamento
André também destaca os negócios ligados a educação e treinamento, sejam eles presenciais ou à distância, em áreas como inglês, computação, programação e cursos preparatórios para concursos públicos. “Com o mercado concorrido que temos hoje, as pessoas estão buscando se capacitar para ter um diferencial. Eles têm um apelo especialmente grande junto à classe C, que nos últimos anos ganhou acesso à faculdade e agora quer um algo a mais”, aponta.

Turismo e lazer
Finalmente, André aposta suas fichas no setor de turismo e lazer. Além do fato de o Brasil estar em evidência e se preparar para receber as Olimpíadas de 2016, ele acredita que esta área está se profissionalizando bastante. “Grandes redes hoteleiras chegaram ao país, adquirindo hotéis familiares, e elevando a qualidade a outro patamar. Além disso, o Brasil está recebendo muitas coisas de turismo corporativo, o que é um ótimo mercado”, encerra.

Terra

 

 

 

Facebook anuncia compra do aplicativo WhatsApp por US$ 16 bilhões

O Facebook anunciou nesta quarta-feira (19) ter chegado a um acordo para a compra do aplicativo WhatsApp. A transação totalizará US$ 16 bilhões (cerca de R$ 38,25 bilhões): US$ 4 bilhões (R$ 9,56 bilhões) em dinheiro e aproximadamente US$ 12 bilhões (R$ 28,68 bilhões) em ações da rede social.

A aquisição pode chegar a US$ 19 bilhões (R$ 45,42 bilhões), porque prevê pagamento adicional de US$ 3 bilhões (R$ 7,17 bilhões) em ações, para fundadores e funcionários, nos próximos quatro anos.

“Isso é o que mudará para vocês, nossos usuários: nada”, diz um post publicado no blog oficial do WhatsApp. “O WhatsApp continuará autônomo e operando de forma independente. […] Não haveria parceria entre as duas empresas se tivéssemos de comprometer os princípios que sempre definirão nossa companhia, nossa visão e nosso produto.”

Para especialistas, a aquisição pode aumentar a representatividade do Facebook em alguns mercados e entre diferentes públicos (os jovens, por exemplo, que vêm abandonando a rede social).

O aplicativo de comunicação instantânea e o Facebook Messenger funcionarão de forma separada. A marca WhatsApp será mantida, e a sede da empresa adquirida continuará funcionando em Mountain View (o Facebook fica em Menlo Park; as duas cidades são na Califórnia). Jan Koum, hoje diretor-executivo do WhatsApp, se juntará à diretoria do Facebook.

Em comunicado oficial, o Facebook anunciou que mais de 450 milhões de pessoas usam o WhatsApp mensalmente, sendo que 70% deles usuários diários ativos. A companhia divulgou ainda que o “volume de mensagens se aproxima à quantidade total de mensagens de texto via celular [SMS] em todo o mundo”.

As empresas declararam que a aquisição está alinhada com a missão que as duas têm de “levar mais conectividade e utilidade ao mundo, entregando serviços de internet importantes de forma eficiente e acessível”.

“O WhatsApp está a caminho de conectar 1 bilhão de pessoas. Os serviços que conseguem esse feito são incrivelmente valiosos”, afirmou Mark Zuckerberg em comunicado (o Facebook tem 1,23 bilhão de usuários ativos no mês).

Em fevereiro de 2012, a maior rede social do mundo comprou o aplicativo Instagram por US$ 1 bilhão – na época, o serviço de fotos tinha 30 milhões de usuários.

Histórico

O WhatsApp foi criado por Brian Acton e Jan Koum em 2009. Ambos eram ex-funcionários do Yahoo!.

O aplicativo é um substituto do SMS. Ele usa o plano de dados de um smartphone para enviar mensagens aos contatos que também têm o software. O programa está disponível gratuitamente, por um ano, para as principais plataformas de sistema operacional (iOS, Android, Windows Phone e BlackBerry). Depois de 12 meses, a empresa cobra US$ 1 (cerca de R$ 2,35) para cada ano de uso.

Em dezembro de 2013, o WhatsApp anunciou a marca de 400 milhões de usuários ativos. “Quando dizemos que vocês [usuários] fizeram isso ser possível, falamos sério. O WhatsApp só tem 50 funcionários, e a maioria é composta por engenheiros. Chegamos a esse ponto sem gastar um dólar em propagandas ou em campanhas de marketing”, informa um post da companhia.

Diferente de seus concorrentes, o WhatsApp ganha dinheiro apenas com a anuidade paga pelos usuários. O aplicativo não oferece jogos ou recursos extras pagos.

Namoro antigo 
De acordo com o site “Business Insider”, o namoro entre o Facebook e o WhatsApp começou em 2012 e foi selado na última sexta-feira (14) – data em que se comemora o dia dos namorados nos Estados Unidos. Mark Zuckerberg teria se encontrado duas vezes em 2012 com Koum e, depois disso, mantiveram contato em durante alguns jantares e caminhadas.

As fontes do site dizem que Zuckerberg interessou-se pelo WhatsApp por três motivos: o serviço deve chegar a 1 bilhão de usuários logo, o aplicativo tem uma taxa de retorno (pessoas que voltam a usá-lo diariamente) de 70% e por ele achar que a plataforma será tão grande quanto a busca do Google ou o YouTube.

A conversa ficou séria em 9 de fevereiro, quando Zuckerberg, durante um jantar em sua casa, fez a proposta de “fusão” entre as companhias. De acordo com o site, Zuckerberg disse que não seria um processo de aquisição convencional, mas sim uma “parceria”. O diretor-executivo do WhatsApp não respondeu na ocasião.

Na sexta-feira, Koum foi até a casa de Zuckerberg. Ele interrompeu o jantar do dia dos namorados entre o fundador do Facebook e Priscilla Chan, sua mulher, para falar que gostaria de fechar o negócio. Os valores, diz o site, foram discutidos durante a sobremesa de morangos com chocolate.

Aquisições

O valor pago pelo Facebook é um dos maiores do ramo de tecnologia. A transação mais recente e com valor aproximado foi quando o Google comprou a Motorola, em 2011, por US$ 12,5 bilhões.

Recentemente, a varejista japonesa Rakuten comprou um dos competidores do WhatsApp, o aplicativo Viber – que, além de enviar mensagens instantâneas, também permite ligações pela web. O valor pago pelo grupo asiático foi de US$ 900 milhões.

Em abril de 2013, havia rumores de que o Google compraria o WhatsApp por US$ 1 bilhão. No entanto, os fundadores da companhia disseram na época que a companhia não estava à venda.

A compra do WhatsApp pelo Facebook mostra a preocupação da companhia com o mercado móvel. Apesar de ter uma aplicação que realiza praticamente as mesmas funções que o WhatsApp, a empresa aparentemente não estava conseguindo conter o crescimento da adesão ao aplicativo concorrente.

Uol

Hora de investir em tecnologia

Quando a crise econômico-financeira pairava como prenúncio de tempestade sobre o mundo, mantivemos a calma, investimos no aperfeiçoamento de nossa infraestrutura e continuamos a contratar profissionais qualificados.

O medo não foi maior do que a avaliação serena da realidade. Superada aquela crise, houve certa euforia no Brasil. Autoridades alardeavam que todas as ameaças haviam terminado, e indicavam um futuro brilhante para o País, com crescimento sustentado, geração de emprego e renda. Muitos analistas internacionais passaram a dizer que o Brasil seria a bola da vez, no sentido positivo.

Isso nos força, novamente, a propor calma na análise. Se você é um micro ou pequeno empresário, não pode embarcar nesta visão rósea da realidade. Haverá crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), sem dúvida, talvez até expressivo – as projeções vão de 4% a 5%.

Não se deve, contudo, deixar a euforia pós-crise nos fechar os olhos para realidades que temos de enfrentar. Estamos em um ano eleitoral, e eleições presidenciais podem significar mudanças na condução da política macroeconômica. Isso não é ruim nem bom, depende de quem e de como as mudanças serão feitas.

Há dificuldades em alguns países europeus, notadamente na Grécia, que têm provocado oscilações nas Bolsas de Valores. Temos, ainda, um pé atrás com relação à recuperação da economia norte-americana, pois podem surgir esqueletos financeiros ainda não exumados.

A mensagem não é ‘não invista’, é ‘invista prioritariamente em tecnologia e qualificação de pessoal’ para realimentar seus negócios. Antes de pensar em gastos adiáveis, concentre-se no aperfeiçoamento de seus processos. Procure ralos que escoem seus lucros e evite perdas.

Acima de tudo, é uma boa hora para avaliar a estrutura de Tecnologia da Informação de sua empresa, do micro aos softwares, da rede aos periféricos, com foco no software de gestão administrativa.

Se você teve de economizar muito em 2009, postergando investimentos tecnológicos, recomece a investir. O crescimento do PIB só será bem aproveitado pelas empresas que estiverem aptas a produzir com qualidade, preço competitivo, excelente distribuição e logística.

Não sabemos quanto tempo durará a trégua econômica. Então, vamos acelerar na direção da qualidade e dos resultados financeiros. Aprendemos, com a crise mais recente, que tempestades podem ocorrer a qualquer momento, e que seus efeitos são mais ou menos nocivos de acordo com o arsenal que tivermos para nos proteger.

Autor: Robinson Klein

Fonte: Administradores

As 5 inovações que mudarão as cidades

A IBM anunciou, no início deste ano, a nova edição da lista anual “IBM Next 5 in 5“, que em 2010 traz as cidades como foco. O mundo vive um processo de urbanização sem precedentes – estima-se que 60 milhões de pessoas mudam para os grandes centros a cada ano, cerca de um milhão por semana. No último ano, pela primeira vez na história, a maior parte da população mundial estava concentrada nas cidades. Especialistas estimam que a população mundial vá dobrar até 2050.

Para ajudar o mundo a se adaptar a esse crescimento veloz, com base em tendências de mercado e tecnologias emergentes de Laboratórios IBM do mundo inteiro, a companhia elaborou uma lista com cinco inovações que poderão impactar as cidades do mundo inteiro, nos próximos cinco anos. A 4ª edição do estudo aponta as transformações que podem ajudar a melhorar significativamente o destino dos grandes centros urbanos. São elas:

– Cidades terão sistemas imunológicos mais saudáveis – “A internet da saúde”;

– Construções urbanas serão capazes de responder como se fossem “organismos vivos”;

– Carros e ônibus urbanos vão operar sem combustível;

– Sistemas inteligentes atenderão à demanda das cidades por água e economizarão energia;

– Cidades “responderão” a uma crise mesmo antes de receber uma chamada de emergência.

“A IBM está atenta às mudanças pelas quais o mundo está passando e trabalha para antecipar tendências e propor soluções que economizem recursos e beneficiem a população mundial. Acreditamos que para construir um planeta sustentável, as cidades precisam ter infra-estruturas mais inteligentes e eficientes. E a tecnologia é ferramenta fundamental para isso”, reforça Cezar Taurion, gerente de Novas Tecnologias Aplicadas da IBM Brasil.

As cidades terão sistemas imunológicos mais saudáveis

Dada a sua densidade populacional, as cidades continuarão a ser foco de doenças transmissíveis. Mas, no futuro, autoridades de saúde saberão precisamente onde, quando e como as doenças estarão se espalhando – inclusive as áreas a serem afetadas. Cientistas oferecerão às autoridades municipais, hospitais, escolas e locais de trabalho as ferramentas necessárias a fim de aprimorar a detecção, monitoramento e prevenção de infecções como o vírus H1N1 ou gripes sazonais.

Veremos uma “Internet da saúde” emergir, onde informações médicas anônimas, contidas em registros de saúde eletrônicos, serão compartilhadas com segurança para impedir a disseminação de doenças e manter as pessoas saudáveis.  A IBM já trabalha com organizações do mundo inteiro como, por exemplo, o projeto de segurança e saúde global da Iniciativa de Ameaça Nuclear (NTI) e o Consórcio do Oriente Médio de Vigilância de Doenças Contagiosas (MECIDS) para padronizar métodos de compartilhamento de informações de saúde e análise de epidemias de doenças contagiosas.

Construções urbanas serão capazes de responder como se fossem “organismos vivos”

Como as pessoas migram para prédios urbanos a taxas recordes, as construções serão feitas de forma inteligente. Hoje, muitos dos sistemas que formam um prédio – aquecimento, água, esgoto, eletricidade etc – são gerenciados de forma independente. No futuro, a tecnologia que gerencia instalações irá operar como um organismo vivo capaz de perceber e responder rapidamente, de modo a proteger cidadãos, economizar recursos e reduzir emissões de carbono. Milhares de sensores dentro das construções irão monitorar desde o movimento e temperatura até umidade, ocupação e luz. O prédio não apenas coexistirá com a natureza – ele fará uso dela. Esse sistema permitirá reparos antes que alguma coisa quebre, com unidades de emergência respondendo rapidamente com os recursos necessários.

Além disso, consumidores e proprietários irão monitorar seu consumo de energia e emissão de carbono em tempo real, tomando medidas para reduzi-lo. Algumas construções já dão sinais de inteligência ao reduzir o uso de energia, melhorando a eficiência operacional e aprimorando o conforto e a segurança para os ocupantes. O Hotel China Hangzhou Dragon, por exemplo, escolheu a IBM para construir um sistema de gerenciamento de hotel inteligente, instrumentado tecnologicamente e interconectado.

Carros e ônibus urbanos vão operar sem combustível

Cada vez mais, carros e ônibus urbanos deixarão de depender de combustíveis fósseis. Os veículos começarão a utilizar novas baterias que serão recarregadas de acordo com a freqüência de uso. Cientistas e parceiros da IBM estão trabalhando para desenvolver baterias que tornarão possível para veículos elétricos viajarem até 800 Km com uma única carga.  Além disso, redes inteligentes em cidades podem permitir que carros sejam recarregados em locais públicos e usem energia renovável, como a eólica, para recargas, evitando a dependência de usinas a carvão. Isso reduzirá emissões e ainda minimizará a poluição sonora. A IBM e o consórcio de pesquisa EDISON, da Dinamarca, estão desenvolvendo uma infraestrutura inteligente para permitir a adoção em larga escala de veículos elétricos alimentados por energia sustentável.

Sistemas inteligentes atenderão à demanda das cidades por água e economizarão energia

As cidades perdem um volume alarmante de água – até 50% – devido à infraestruturas com vazamentos. Para piorar ainda mais a situação, a demanda humana por água deve crescer seis vezes ao longo dos próximos 50 anos – atualmente, uma em cada cinco pessoas não tem acesso à água potável.

Tecnologias avançadas de purificação ajudarão cidades a reciclar e reutilizar água localmente, reduzindo a energia usada para transportá-la em até 20%. Medidores e sensores inteligentes serão integrados em sistemas de água, energia e esgoto, fornecendo informações precisas e em tempo real sobre o consumo, permitindo tomar melhores decisões sobre como e quando usar esse recurso e evitar a contaminação de rios e lagos.

As cidades serão capazes de prever situações de emergência – “responderão” a uma crise mesmo antes de receber uma chamada de emergência

As cidades serão capazes de prever, reduzir e até impedir situações de emergência, como crimes e desastres. A IBM já atua junto a organizações policiais para analisar a informação correta no momento certo e assim permitir que tomem medidas proativas para evitar o crime. O Departamento de Combate a Incêndio da Cidade de Nova Iorque escolheu a IBM para construir um sistema para coleta e compartilhamento de dados em tempo real, a fim de evitar incêndios enquanto protege os bombeiros. A companhia também está desenvolvendo sistemas inteligentes de barragens para proteger cidades de inundações devastadoras

Fonte: HSM Online

Aviso aos Navegantes: Feliz 2010 !!!

Depois de férias merecidas estamos de volta!

Recebemos vários e-mails de leitores pedindo atualizações! Obrigado a todos os leitores que nos enviam sugestões, elogios e até críticas.

Queremos sempre melhorar nosso conteúdo: cases, artigos e novidades.

Para começar 2010 de uma forma diferente, lancei um desafio pelo Twitter há alguns dias.

“Envie seu artigo e corra o risco de vê-lo publicado no site”

Já estamos recebendo artigos interessantes sobre vários temas. É claro que o assunto precisa ser a cara do Cases de Sucesso.com.

Continuaremos a receber novos artigos; Aventure-se!

Desejamos a todos os nossos leitores um 2010 de muito trabalho, criatividade, intensidade, ética, dedicação e saúde para tudo isso!!!

Um grande abraço,

Thiago Miguel – Diretor Executivo – Cases de Sucesso.com

Twitter – @thiagomiguel / @casesdesucesso